Amor platônico na madrugada carioca embala novo clipe de Camões

Expectativas e realidade entram em conflito no clipe de “Ana”, novo single do cantor carioca Camões. De um lado, o fetiche do amor impossível. Do outro, a aceitação do destino não concretizado. A letra inspirada em uma história da vida do próprio compositor ganha outros contornos no vídeo, ao imaginar o desenrolar de um amor de cabaré.

Assista “Ana”: https://youtu.be/0f0X8pmQL5M

Ouça: https://milkdigital.lnk.to/Ana

Na verdade, “Ana” começou a ganhar forma no balcão de um restaurante em Botafogo. “Com aquele cabelão ruivo, um olhar profundo e um sorriso fácil independente de quão babaca o cliente fosse. Ela trabalhava no balcão e eu era apenas mais um dos bêbados inconvenientes com que ela tinha de lidar. Talvez fosse menos chato que os outros. Talvez por isso acabamos saindo num date e, na falta de palavra melhor, me apaixonei. Mas dentro do meu ceticismo e a grande carga de estímulos da minha geração (sim, a Y), mergulhei de boia. Não cheguei junto o suficiente, nem fiz grandes declarações. Dá muito trabalho viver o amor e é difícil saber quando é pra valer. Acontece que no meio dessa auto-repressão, meu inconsciente acabou gritando essa canção”, relembra Camões.

Para o clipe, o cantor ressignifica a letra. Versos como “Ana dança/me faz crente e bobo/fiel a todo seu prazer/Ana dança/que caio de novo/bem certo de que era pra ser” abrem a possibilidade de imaginar essa história com contornos mais sensuais, explorando a noção do homem que se apaixona por uma garota de programa. Camões entra em cena como o cliente de um “inferninho” que se encanta por uma das dançarinas. Luxúria vira paixão, e o personagem se vê preso à ilusão de que era amado de volta.

“Decidimos que o personagem homem (eu no caso) não sairia se dando bem e nem como um injustiçado, mas assumiria o papel de um bobo equivocado. Aquele que não se contenta com o que está no contrato. Que se considera único, digno de amar a dançarina e receber amor de volta. Um ingênuo egocêntrico”, explica.

 

Para dar forma a essa história, Camões convidou o diretor Tadeu Fidalgo, da Produtora Pervaleo. As influências visuais vieram de clipes de Daft Punk, The Weeknd e Paradis, além do filme “Drive”, estrelado por Ryan Gosling, guiados pelas tonalidades de rosa e azul que dão ao clipe a sensação de ilusão e fantasia.

Após realizar sua primeira turnê internacional, onde se apresentou em palcos portugueses, Camões retorna ao cenário da boemia carioca que o inspira desde os EPs “Cupim” e “Anilina”. “Ana” se une a canções como “Nova Aurora”, que marcam o novo momento do cantor e compositor – de explorar referências do synthpop mescladas à da música brasileira oitentista. Em breve, Camões lança seu novo EP.

Assista “Ana”:

Ouça “Ana”: https://milkdigital.lnk.to/Ana

 

Ana – Ficha técnica

 

Autor: Camões

Produtor: Camões

Piano Elétrico: Antonio Dal Bó

Synth MicroKorg: Antonio Dal Bó

Guitarra: Antonio Dal Bó

Bateria: Gabriel Nigri

 

Programações: Camões

Violão: Camões

Voz: Camões

Mixagem: Camões e Pedro Calloni

Masterização: Pedro Calloni

 

Clipe:

 

Direção: Pervaleo Productions (Tadeu Fidalgo)

Direção de fotografia: Charbel Selwan

Direção de arte: Giulia Donato, Marina Mahfuz

Figurino: Giulia Donato, Marina Mahfuz

Maquiagem: Luiza Quintanilha

Agradecimentos especiais: Ana Mourão, Canastra Bar, Beni, Clemente e Banca em frente ao Cervantes