Melancolia e empoderamento feminino no clipe da Não Não-Eu

A banda belorizontina Não Não-Eu acaba de lançar clipe para o single “Chão”, presente no disco de estreia homônimo. Sombrio e reflexivo, o vídeo e a música evocam o desejo como força motora para novas experiências. Roteirizado pela vocalista, Pâmilla Vilas Boas e dirigido por Cláudio Valentin e Raphael Vilas Boas, o vídeo se utiliza de metáforas para simbolizar a opressão, bem como a libertação feminina. Com uma linguagem de cinema arte pulsante, a subjetividade assume a narrativa do trabalho.

Assista “Chão”: https://youtu.be/c8NhPZn-nSw

Filmado na cidade onde Pâmilla nasceu, Bambuí, no interior de Minas, o vídeo imprime na tela um ar melancólico que se encaixa com o tema da canção. Se por um lado a música tem a ver com desejo, com a descoberta do lado sombrio, a natureza do lugar passa tranquilidade. Em uma das cenas, as pedras assumem o formato de um útero, e assim somos surpreendidos com a questão feminina que deseja revelar-se e assumir-se para o mundo.

Não Não-Eu (crédito:Paulo Augusto)

“A proposta foi gravar uma série de cenas abstratas sem início-meio-fim e fluídas comunicando com a sensação da música. Acho que as cenas revelam várias camadas do Eu. A personagem entra e sai da casa várias vezes. Acho que é esse movimento de assumir e revelar algo e depois voltar. Quando a gente assume algo, perdemos outras coisas e por isso é tão difícil. Acho que a morte na música tem a ver com essa sensação de perda”, explica Pâmilla.

No vídeo, um dos pontos que mais chamam a atenção é a presença do crânio de bovino que é segurado por Pâmilla. O item está presente na família da vocalista há quase 30 anos. As caveiras são utilizadas para proteger o gado e o local contra o mau olhado, por isso, ficam expostas nos locais mais visíveis da propriedade. Mas o objeto tem muito mais significados na ótica da roteirista:

“Acho que essa ‘máscara’, é um artefato que mostra essa dificuldade de assumir e não assumir, uma fricção corpo/máscara e máscara/corpo. Você puxa o olhar das pessoas para o que quer que seja visto, para que elas não alcancem o que há de profundo dentro de você. Mas o que há de mais profundo? Para mim o feminino está nesse lugar, nessa tensão de querer se revelar, mas que acaba sendo reprimido de alguma forma. Nós mulheres temos esse poder, acho que não precisamos mais ‘voltar para dentro da casa’”, analisa Pâmilla.

E esse sentimento de sair para nunca mais voltar, ela conhece bem. A letra foi baseada em um poema escrito pela vocalista e guitarrista, que tem um caderno de poesias guardado e que nunca teve coragem para publicar. Durante o processo de criação do disco, a música ganhou diversas versões e foi sendo modificada, mas não foi só a canção que mudou: a compositora começou a aceitar suas letras e os sentimentos que elas querem passar.

“Fui apostando mesmo no lado sombrio e profundo da música que fala da morte, vida, desejo, rendição. O Cláudio (Valentin) foi me ajudando a traduzir isso sonoramente, então fomos mergulhando em referências mais sombrias. Num dia de carnaval em BH, encontramos por acaso com o Raul (Retrigger). A gente já era muito fãs do trabalho dele, mas nunca tínhamos pensado em trabalhar juntos. Tivemos um insight e Cláudio foi lá e o convidou para ele produzir a música”, conta.

Por ter tamanha importância dentro da história do disco, o single “Chão” foi escolhido como primeiro registro audiovisual da banda. A música é hoje uma das mais bem recebidas pelas pessoas que conhecem o grupo, chegando a ser destaque no site irlandês SWIT (Super World Indie Tunes), que publicou o single “Chão” como um dos melhores lançamentos do mês de julho.

A banda Não Não-Eu é um trio formado em Belo Horizonte por Pâmilla Vilas Boas (vocal, guitarra, synths), Cláudio Valentin (baixo, synts) e Thiago Carvalho (bateria) e lançou este ano o disco de estreia, homônimo, pelo selo PWR Records. O trabalho foi elogiado pelos principais veículos de música independente do país, tais como Tenho Mais Discos Que Amigos, Miojo Indie, Revista Noize, New Yeah Música, e muitos outros. Em dezembro deste ano a Não Não-Eu entrou para o catálogo da label Blade Recods do Texas que está distribuindo a banda nos EUA. O grupo realizará ainda uma turnê em janeiro de 2018 que passará por Sorocaba, São Paulo, Rio de Janeiro, Petrópolis e Juiz de Fora.

Assista “Chão”:

Ficha técnica:

 

Roteiro: Pâmilla Vilas Boas

Direção: Cláudio Valentin e Raphael Vilas Boas

Direção de fotografia: Raphael Vilas Boas

Produção: Paulo Augusto

Figurino: Thábata Serafim

Make up: Jozi Matos

Montagem e edição: Marco Antônio Pereira